26 de outubro de 2010

Meu avô

Meu avô e a horta. Meu avô aguando os pés de couve, de taioba, as cenouras, pimentas e beterrabas da horta. Meu avô e o Fluminense. Meu avô inventando palavrões para xingar o técnico e os jogadores do Fluminense. Meu avô amaldiçoando todos os juízes de todos os jogos do Fluminense. Meu avô e o chevette vinho. Meu avô reclamando do chevette vinho. Meu avô e o chevette branco. Meu avô feliz com o chevette branco. Meu avô construindo casas. Meu avô assistindo jornal e conversando com os apresentadores. Meu avô, depois do jornal, contando todas as notícias para a minha avó. Meu avô comprando todo dia o jornal O Dia. Meu avô cansando do O Dia e comprando o Extra. Meu avô falando que eu, minha prima, minha avó e minhas tias só líamos o caderno da TV, tanto do O Dia como do Extra. Meu avô e a filmadora. Meu avô filmando todos os nossos aniversários. Meu avô colecionando as fitas de cada aniversário de cada um dos netos. Meu avô feliz com os netos. Meu avô rindo dos 8 pares de meias ou das 6 cuecas que ganhava em todos os aniversários. Meu avô falando que gostou da camiseta cinza da Hering que eu dei para ele em 2006. Meu avô construindo outra casa. Meu avô e as sobrancelhas franzidas. Meu avô falando sozinho o tempo todo. Meu avô colecionando selos do jornal Lance para trocar por bolas, camisas e mochilas para os meninos. Meu avô guardando na estante os livros do Paulo Coelho, do Rubem Braga e do Paulo Mendes Campos e dizendo: pode ser que as meninas queiram ler. Meu avô separando o caderno da TV do jornal para as netas. Meu avô no hospital, magro. Meu avô no hospital me contando quem foi e quem não foi visitá-lo. Meu avô bem outra vez. Meu avô construindo mais uma casa. Meu avô furando paredes, colocando azulejos, parafusando portas. Meu avô reclamando da preguiça dos pedreiros e dizendo que preferia fazer ele mesmo. Meu avô acordando a vida toda às 5 da manhã. Meu avô e minha avó caminhando todos os dias na Avenida Brasil. Meu avô e o mingau de fubá. Meu avô e o jiló. Meu avô indo no mercado. Meu avô dizendo: comprei pizza e guaraná para vocês. Meu avô e os filmes. Meu avô e muitos filmes. Meu avô anotando em um caderno os nomes dos muitos filmes que tinha. Meu avô numerando os filmes no caderno e colando uma etiqueta com o respectivo número na capa de cada filme. Meu avô colocando os filmes em ordem crescente de número na estante. Meu avô e eu assistindo um filme do Mel Gibson. Meu avô, meu pai e eu assistindo algo que não lembro o que era exatamente no History Channel. Meu avô me mostrando as fotos de Porto Seguro. Meu avô tão moreno nas fotos. Meu avô feliz na Bahia. Meu avô com preguiça de ir ver a irmã no Espírito Santo. Meu avô reclamando do ônibus, da viagem, do calor. Meu avô tão parecido comigo. Meu avô nem sabia o quanto eu sou parecida com ele. Meu avô indo quase todo ano visitar a irmã no Espírito Santo. Meu avô chegando para visitar minha bisavó e gritando: ô dona Maria! Meu avô feliz porque eu fui para Tiradentes e trouxe doce de leite para ele e para minha avó. Meu avô se despedindo de mim na sexta-feira e dizendo algo importante, mas que só lembro uma parte. Meu telefone tocando às 7 da manhã na terça-feira. Minha mãe dando a notícia pela metade. Meu avô.

8 comentários:

Andre de Freitas Sobrinho disse...

propositivo:
1) abolição das construções parentéticas;
2)"Meu avô no hospital me contando quem foi e quem não foi visitá-lo (e eu aliviada de ter escapado da lista negra)"; "Meu avô no hospital me contando quem foi e quem não foi visitá-lo. Não estar na lista do meu avô é um alivio"; "lista negra": de cá acho a qualificação desnecessária. como proposta fica mantida a dinâmica da repetição.
3) "Meu avô anotando em um caderno os nomes dos filmes que tinha (e ele tinha muitos)"; "Meu avô tinha muitos filmes. Meu avê anotando em um caderno os nomes dos filmes que tinha." - de novo, pela dinâmica das repetições. Como está, aparenta desejo de correção.
4) des-monodrame-se.
5) texto bem gertrude, bem samuel; difere pelo afetivo: ponto ganho.
6) "Minha mãe dando a notícia pela metade. Meu avô"; "Meu avô, na voz da minha mãe, é uma notícia pela metade".
7) é um bom número.
8) grande texto.

Luiz Fernando "Mirabel" disse...

1)Mais econômico que o Caps.
2)Arrepiei.

Thais Thomaz disse...

texto LINDO!

Me fez sorrir e chorar.

=~)

Larissa Andrioli disse...

já falei que chorei no ponto de ônibus lendo isso no celular, né? pois é.

niltonresende disse...

poxa, que bonito. muito bonito.

Anônimo disse...

Ótimo texto. Sugestões do André desnecessárias, principalmente a sexta. Não altere.

chaleiramuda disse...

Belíssimo texto. Deu muita vontade de ir conversar qualquer coisa com o meu avô antes que alguém me dê uma notícia pela metade sobre ele.

Otávio Campos disse...

Sempre choro lendo isso. Pronto, falei.