7 de setembro de 2010

Em cinza

Espaços contigo.
Doces como caminhos
que nunca serão construídos.

– Dias viraram noites,
clarearam dias e
se tornaram noites
que amanheceram.

Verbos medidos.
Ânsia se afoga
no timbre do que eu não digo.

– Palavras queriam ações
mas não eram ações
foram palavras
e aconteceram.

Amoldam-se os cantos.
Deságuam no branco
do meu traçado sem plano.

– Versos que criaram olhos,
escreveram pele
e te sentiram
não se perderam.

Ouvir de você
as três palavras.
Clichês.

Desfaço em medula
o corpo do seu desejo
sem ver.

Amanhã saberemos:
o mundo é tão maior.

*

"Em cinza" foi publicado em maio de 2009 no blog do jornal Plástico Bolha.

3 comentários:

Fabrícia Valle disse...

afe maria!

Larissa Andrioli disse...

muito muito foda.

"Verbos medidos.
Ânsia se afoga
no timbre do que eu não digo." (L)

Laura Assis disse...

Adoro timbres. lol